sexta-feira, 26 de outubro de 2007

Mas então... Alemanha?

"Quando eu recebi o telefonema da Mari e soube o meu país, não fiquei exatamente estática.
Na verdade, é possível até dizer que eu fiquei meio desapontada.
Quer dizer, a Alemanha era a minha sexta opção!
Se eu não conseguisse a Itália ou a Suiça eu entenderia, afinal, eu era mais velha que o esperado no caso da primeira, e a Suiça tem poucas vagas... Ou seja, com o tempo gasto tentando a Itália, eu teria perdido minha vaga na Suiça.
E por mais que a Dinamarca não me aceitasse (e olha que na época eu nem sabia que eles não aceitavam vegetarianos), eu ainda tinha minhas esperanças na República Tcheca e na Bélgica. Nunca que eu ia imaginar que no final das contas eu acabar indo pra Alemanha.

Claro que a Alemanha é um país ótimo, e eu tava feliz indo pra qualquer país da minha lista, afinal, eles estavam na minha lista!
Mas como várias pessoas vão pra Alemanha (depois dos Estados Unidos, é o país que mais recebe intercambistas do Brasil), eu sentia que o país era muito... comum, por falta de uma palavra.
Não era que eu estava desmerecendo quem vai pra Alemanha, ou o próprio país. O que me incomodava era o fato que eu queria ir pra um lugar diferente, único!
Voltar pro Brasil com histórias de lugares que ninguém tinha ouvido falar.
Pfft, como se todo mundo conhecesse cada pedacinho da Alemanha também!

Voltando um pouco ao telefonema da Mari (pra quem não sabe ainda, ela é a diretora de envio do comite de Belo Horizonte do AFS).
Minha mãe tava do meu lado quando eu recebi a notícia, e ela percebeu na hora que eu não estava muito satisfeita com o que eu estava ouvindo. Quando eu desliguei e contei pra ela que tinha saído Alemanha pra mim, ela disse que se eu não estava feliz com isso eu podia não ir. E como ela ia adorar isso!
Não que eu não goste da minha cidade e do meu país, mas isso não quer dizer que eu ia jogar fora a oportunidade de ir pra um país novo por um ano inteiro!
Mãe, eu te amo e vou sentir sua falta, mas pouquíssimas coisas poderiam me fazer desistir desse intercâmbio.

No dia seguinte eu contei pros meu amigos, e as reações foram mais ou menos o esperado.
Vários "Mas a Alemanha é muito longe!", "Agora você vai abandonar a gente mesmo!", "Você com certeza vai voltar bebendo cerveja!"...
Alguns "Eu vou te visitar lá!" e "Alemanha, que legal!"...
No final das contas, isso (entre outras coisas, é claro) acabou impulsionando mais dois amigos meus a fazerem a seleção pro intercâmbio também! Mas isso já é assunto pra outro post.

Na verdade, acho que o momento quanto eu fiquei realmente empolgada com a idéia de ir pra Alemanha foi mais de um mês depois de receber a notícia.
Quando o Miguel (um desses amigos que também vão de intercâmbio) ficou sabendo que ele também ia pra Alemanha, ele ficou tão feliz que eu simplesmente não consegui mais entender porque eu não estava empolgada assim com o meu país, que afinal, era o mesmo que o dele.

Depois disso peguei a mania não muito boa (apesar de recomendá-la a todas as outras pessoas) de procurar blogs de pessoas que foram pra Alemanha de intercambio.
E assim cada dia mais eu estou mais exitada com a idéia de ir pra Alemanha!

Fico fazendo planos de ir pra sabe-se lá quantos países, com sabe-se lá quais pessoas... Sei que metade desses planos são pura viagem, e que um terço provavelmente não vão acontecer, mas sonhar é bom e mal não faz né?
Citando Hollywood, dos Los Hermanos (ao meu entendimento, que na verdade não bate com a letra real da música... Praga de ouvir de menos e falar demais a minha...): "Quem há de negar que é bom sonhar, que a vida é bela?""

Escrito no dia 23/10

Começando de novo...

Não sei do que eu to reclamando ao fazer outro blog pra falar do intecâmbio.
Ainda faltam cerca de dez meses pra minha viagem, e eu provavelmente ia acabar abandonando o outro (livejournal) antes da data memso...

Oh well, tarde demais não?
Já fiz esse aqui (meu quarto blogspot! Não sei se isso é bom ou não...) e provavelmente aqui que vou me instalar.